Bioinvasões marinhas

Fouling communities Madeira

As invasões biológicas por espécies não indígenas (NIS) são consideradas uma das maiores ameaças ambientais e econômicas e uma das principais causas de perda de biodiversidade em escala global. No sistema marinho, as invasões biológicas estão amplamente concentradas nas comunidades costeiras, onde a taxa de invasões detectadas aumentou significativamente nos últimos anos. A maioria das invasões marinhas resultou do transporte comercial, resultante da transferência não intencional de um grande número de espécies de animais e plantas na água de lastro e incrustação do casco.

A investigação no MARE-Madeira integra-se em tempo oportuno com as questões e hipóteses de vanguarda que se colocam na ciência das invasões, nomeadamente em sistemas insulares: que fenómenos controlam o sucesso das espécies invasoras? Quais processos influenciam a persistência de espécies não indígenas no espaço e no tempo?

Implementando estudos de campo, experiências de mesocosmos e integrando projetos colaborativos na Madeira e na Macaronésia, o MARE-Madeira procura contribuir para o desbloqueio destes fenómenos e processos. Isso permitirá um maior poder de previsão sobre onde e quais espécies invadirão essas ilhas, e quais espécies irão persistir e até mesmo florescer, produzindo as ferramentas essenciais e necessárias para gestores ambientais que buscam reduzir ou prevenir invasões de novas espécies exóticas.