Comportamento, fisiologia e ecologia da megafauna marinha

Cachalote Madeira

A megafauna marinha desempenha serviços ecossistêmicos cruciais na manutenção de sua estrutura e funcionamento. Compreende animais de vários grupos taxonômicos (por exemplo, mamíferos, peixes, répteis), em que a maioria das espécies são predadores de topo. Além disso, muitas dessas espécies estão ameaçadas devido à exposição a vários níveis de pressões induzidas pelo homem, que podem incluir pesca excessiva, poluição, tráfego marinho, lixo marinho e mudanças climáticas.

Por outro lado, os ambientes insulares oceânicos, como os que circundam a Madeira e os arquipélagos da Macaronésia, beneficiam de processos de efeito de massa em ilhas, agregando pontos de grande diversidade para a megafauna marinha. No entanto, os estudos em tais habitats remotos enfrentam inúmeros desafios e são desequilibrados quando comparados aos habitats costeiros.

O MARE-Madeira procura contribuir para o avanço no conhecimento dos fatores e processos que afetam a megafauna marinha, com especial enfoque nos ecossistemas insulares. Utilizando a proximidade do mar aberto ao largo da costa das ilhas da Madeira como laboratório in situ, e tendo a Macaronésia e o Atlântico Norte como pano de fundo um ‘cenário’ integrador, o MARE-Madeira assenta numa abordagem multidisciplinar que abrange a biotelemetria, biogeoquímica, acústica, genômica, ecotoxicologia, tecnologia ou modelagem ecológica para abordar questões de vanguarda relacionadas com a teia alimentar, movimento, ecologia funcional, socialidade, mudança ambiental e pressões antropogênicas na megafauna marinha.